Disciplina é liberdade! Saiba como montar um bom roteiro de estudos para o vestibular (:

Salveeee! (:
Hoje falaremos um pouco sobre elaboração de roteiro de estudos. Sem sombra de dúvidas, uma das habilidades mais importantes a ser desenvolvida em um contexto de aprendizagem.

Para o vestibular, um processo que exige um repertório enorme dos candidatos, é fundamental que o educando compreenda o seu momento e elabore um roteiro que torne sua rotina de estudos prática, sustentável e emocionalmente confortável. Afinal, pequenas doses de disciplinas permitirão prazerosos momentos de liberdade :))

Separamos 3 dicas espertas para quem, assim como nós, entende que não é só de aprovação que vive um vestibulando! 😉  Bora conferir?!

Construa um roteiro consciente e condizente com a sua realidade (ou, faz o bagulho certo, mano! rs)

É muito importante que você esteja consciente do seu momento e do seu objetivo para que seu roteiro esteja alinhado à sua realidade. Para isso, cabe uma reflexão aqui. Mentalmente, vamos fazer uma fotografia do seu momento, ou seja, compreender um pouco mais a sua história, o seu momento atual e as suas expectativas com o futuro:

“qual é a minha história?”; “quais dificuldades me acompanharam nessa trajetória?”; “quais recursos pedagógicos eu tenho a minha disposição nesse momento?”; “quantas horas de estudo eu terei diariamente ou semanalmente?”; “qual é o meu objetivo (curso ou faculdade que pretendo prestar)?”; “o quão distante estou desse objetivo e o que eu posso fazer agora para caminhar nesse projeto?”

Todas essas reflexões são fundamentais para que você compreenda onde realmente está nessa caminhada até a sua aprovação e para que possa, de modo consciente, elaborar um projeto que faça sentido e que atenda as suas necessidades.

Por exemplo, identifiquei que, neste momento, minha condição me permite ter uma rotina de 3 horas de estudos diários. Dessa forma, não faz sentido algum que você construa um roteiro que precise de mais de 3 horas diárias para ser cumprido, pois isso geraria frustração e, a longo prazo, desistência do projeto.

Assim, seja consciente. É importante que nessa avaliação de tempo esteja contemplado os seus momentos de descanso e suas atividades que não estejam diretamente relacionadas com a rotina do cursinho, belês? 

O que e como estudar? (ou, não sei por onde eu começo!)

O ano letivo do cursinho é um tempo curto para se desenvolver todo o repertório necessário para as provas, então, é importante otimizar. Por isso, feita a reflexão proposta anteriormente, vamos elencar as prioridades. Quais matérias eu tenho mais dificuldades de desenvolver? Quais eu tenho mais segurança? É possível identificar alguns comportamentos ou situações emocionais que interferem no meu desenvolvimento?

A partir disso e tendo definido a sua carga horária de estudos, vamos para prática! Deem uma olhada nessa tabelinha, construída pela equipe pedagógica do PEdu, e que usamos para conduzir as mentorias de estudos com nossos alunos 😉

roteiro

(Obrigado Lê, por nos ajudar a montar esse roteiro de exemplo. Maravilhosa essa menina, viu!)

Vamos exemplificar. Suponha que você tenha 3 horas de estudos diários, que suas principais dificuldades sejam matemática, química e física (hipoteticamente, to chutando aqui! rs) e que você tenha facilidade com os conteúdos de linguagens e humanas. Show!

Para a construção do seu roteiro, você deve considerar deixar mais tempo disponível para as matérias que você tem mais dificuldade e encontrar uma maneira em que você ganhe tempo com as matérias que tem facilidade, sem perder a qualidade que desenvolveu até então. Ao estudar as matérias que tem facilidade, por exemplo, se você se sentir seguro com isso (faça o teste), vá direto para os exercícios e só pegue a teoria quando sentir que alguns pontos daquela aula não estão claros. Isso ajuda a ganhar tempo. Com mais tempo disponível para estudar as matérias de prioridade, você pode implementar os estudos com livros didáticos e video-aulas, por exemplo.

Dessa forma, é importante elencar prioridades, decidir qual é o plano para o seu ano e construir um projeto que te desenvolva em direção ao seu objetivo.

Monitore o desenvolvimento do seu roteiro

Tão importante quanto construir um roteiro é cumpri-lo. Coloque um prazo, semanal ou quinzenal, para avaliar o que deu certo e o que não deu certo em seu roteiro. Faça as adaptações necessárias, sempre considerando a possibilidade de fazer algo o mais próximo possível da sua realidade.

Ter um roteiro real e fazível (sim, essa palavra existe hehehe) possibilita que você desenvolva segurança no seu processo, que tenha a convicção de que fez o que era pra ser feito. Isso, além de desenvolver as habilidades que você realmente precisa, traz conforto e estabilidade emocional para o seu processo, fatores fundamentais para um bom desempenho nas provas.

infográfico

Bom, por hora é isso, galera! A gente poderia aprofundar um pouco mais os assuntos, tocar em algumas questões emocionais, mas isso pode ser pauta para a próxima conversa :))

Não deixem de seguir nosso Instagram, Facebook, Youtube e o nosso Podcast no Spotfy!

Beijos de luz.

assinatura blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *